Sábado, 18 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Empreendedor Quarta-feira, 24 de Agosto de 2016, 15:00 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 24 de Agosto de 2016, 15h:00 - A | A

Como as empresas estão buscando a sustentabilidade?

REDAÇÃO

Está mais do que claro para as pessoas o quanto é importante – e necessário – o desenvolvimento de uma economia verde, que não traga prejuízos ao meio ambiente. As causas e problemas ambientais são demandas exaustivamente lembradas nos dias atuais. Com o uso excessivo dos recursos naturais, a depredação da flora e a constante eliminação da fauna terrestre, é cada vez mais importante que a consciência ambiental internacional seja implantada e que os diversos meios de produção usem os recursos de maneira consciente e equilibrada, garantindo que os impactos ambientais de determinadas práticas e atitudes sejam levados em conta.

 

Desde que as preocupações com o meio ambiente e com um mundo mais sustentável e equilibrado surgiram, foi necessária a criação da chamada economia verde. O conceito trata de um sistema econômico que busca melhorar o bem-estar social das pessoas e fazer com que a produção, venda, distribuição e extração de itens seja realizada de maneira cooperativa com o meio ambiente, promovendo um ambiente mais saudável para todos. Além disso, a economia verde tem como objetivo reverter a escassez de determinados recursos naturais, e modificar a lógica do uso desenfreado de fontes de energia.

 

Apesar de parecer simples e funcionar bem quando se observa apenas a definição do termo, colocar todas essas premissas em prática pode não ser tão fácil. Embora todos concordem que precisamos viver em um mundo melhor, é extremamente difícil tentar modificar determinadas formas de pensar já tão implícitas na mentalidade de empresas, empresários e mesmo da própria sociedade. Muito inclusive ignoram o caminho da sustentabilidade porque acreditam que investir num bem-estar ecológico é inevitavelmente deixar de lucrar e perder produtos importantes e já consolidados.

 

Apesar das dificuldades enfrentadas na divulgação e ampliação das táticas sustentáveis entre as empresas, nos últimos anos foi possível perceber que algumas já têm aberto mais espaço para práticas de respeito ao meio ambiente, que contribuam para uma visão de mundo mais justa e voltada à preservação. Os empresários brasileiros, por exemplo, perceberam que a cooperação com o meio ambiente pode lhes favorecer de diversas maneiras, reduzindo custos de produção, ganhando mais investimentos e até mesmo recebendo clientes que se mostrem mais preocupados com a sustentabilidade.

 

Reprodução

Empresa sustentavel

 

Um grande exemplo dessas mudanças são os lava-rápidos e empresas que trabalham com a lavagem, secagem e acabamento de veículos. Apesar de a falta de água ser algo bem recorrente nos últimos anos no Brasil, principalmente em estados do Sudeste, muitos clientes deixaram de solicitar serviços de empresas de lavagem de carros, justamente por considerarem que a como não ecológica, já que gasta uma quantidade exagerada de água por lavagem.

 

Com a queda do número de clientes e o aumento do preço da água (que se tornou mais cara devido à escassez), os empresários e donos de lava-rápidos e empresas do segmento passaram a ter que recorrer a outros meios para atrair os consumidores e manter suas empresas no mercado. Segundo o sindicato responsável pelo segmento dessas empresas, nos últimos anos o número de empresários fechando seus estabelecimentos cresceu em períodos onde a ida a lava-rápidos costuma aumentar.

 

Segundo especialistas das áreas de economia e os próprios membros e responsáveis pela avaliação do desempenho das empresas, esse número alto de empresas sendo fechadas se deve à escassez de água e ao aumento do custo com os equipamentos utilizados nos estabelecimentos. Em contrapartida, no mesmo período analisado observa-se um grande crescimento do número de empresas utilizando métodos alternativos para a lavagem dos automóveis.

 

O que vem salvando alguns estabelecimentos é o investimento em métodos distintos e alternativos como a lavagem a seco, por exemplo. A rede de lava-rápidos AcquaZero tem registrado um aumento de 40% na procura da lavagem a seco desde que iniciou-se o agravamento da crise hídrica no estado de São Paulo. A procura de pessoas interessadas em abrir uma loja da franquia da rede de lava-rápidos também sofreu um aumento de 30%, segundo os porta-vozes da empresa.

 

 

A crise muitas vezes tem um papel de reeducação de empresários e da população, que acabam sentindo no bolso o impacto de práticas não sustentáveis. Nesses casos, é importante se adaptar ao mais rentável – e, mais do que isso: aprender que podemos ter uma economia forte e saudável que não prejudique o meio ambiente nem sustente práticas de depredação ambiental.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros