Economia Segunda-feira, 27 de Junho de 2022, 11:15 - A | A

Segunda-feira, 27 de Junho de 2022, 11h:15 - A | A

Brasil pode ser emergente mais afetado por desaceleração da China, aponta BIS

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O Brasil pode ser o país emergente mais suscetível ao impacto da desaceleração chinesa, na visão do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), uma espécie de banco central dos bancos centrais. Ao seu lado, estão países como a Coreia do Sul, que seria a mais afetada, na visão da entidade, com sede em Basileia, na Suíça, além de Índia e México.

O BIS compara uma queda de 1 ponto porcentual (p.p.) no crescimento da economia da China com uma redução em torno de 0,7 p.p. no ritmo de expansão do Brasil em seu relatório econômico anual, publicado neste domingo. Como base, utilizou dados entre os anos de 1996 e 2019.

"Muitas economias emergentes estão altamente expostas ao crescimento chinês mais lento, especialmente países da Ásia emergente e alguns exportadores de commodities", afirma o BIS, em seu relatório econômico anual, publicado no domingo, 26.

A Coreia do Sul, conforme a entidade, é o emergente que seria mais afetado por um menor ritmo de crescimento da China, poderia ter impacto de 1% em seu crescimento. No caso do México, tal reflexo seria de 0,45%, enquanto na Índia poderia chegar a quase 0,50%.

Na visão do BIS, o menor crescimento da China é um dos fatores de pressão, juntamente com a guerra na Ucrânia, para uma estagflação global, fenômeno que atinge países com baixo crescimento econômico e preços descontrolados por um extenso período. Isso porque o país tem sido responsável por uma parte relevante do crescimento mundial, de cerca de um quarto, sendo uma demanda externa relevante para o resto do mundo, principalmente, para matérias-primas.

"Bloqueios locais e outras medidas para aplicar a rígida política de covid das autoridades podem interromper ainda mais as redes de produção, tanto na China quanto com parceiros comerciais", avalia o BIS, no estudo. "A luta contra o vírus está longe de terminar", acrescenta.

No ano passado, a economia chinesa cresceu 8,1%, mas esse ritmo já desacelerou para 4,8% no primeiro trimestre de 2022. Organismos mundiais e bancos de investimento têm revisado o ritmo de expansão da China para baixo diante da política de covid-zero implementada pelo país.

Recentemente, o Citi cortou sua estimativa para o PIB chinês neste ano, que passou de uma alta de 4,2% para 3,9%.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros