Cidades Terça-feira, 07 de Junho de 2011, 09:54 - A | A

Terça-feira, 07 de Junho de 2011, 09h:54 - A | A

PALCO DE RESISTÊNCIA

Policiais ampliam paralisação para 48 horas e 'acampam' na Assembleia

Investigadores e escrivães pedem reestruturação salarial e exigem ser recebidos por Silval

DA REDAÇÃO

Widson Maradona/AL
Investigadores e escrivães ampliam paralisação de 24 horas para 48 horas
Ao menos 300 investigadores e escrivães da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso estão “acampados” na Assembleia Legislativa desde às 8h desta terça-feira (7). Na segunda, centenas de profissionais da Educação participaram da audiência pública para discutir a paralisação e reajuste da categoria.

No caso dos investigadores e escrivães, a paralisação, que era de 24 horas nesta terça, foi ampliada para 48 horas. Assim, o movimento se estende até quarta-feira.

Segundo a presidente do Sindicato do Escrivães da Policia Judicária Civil de Mato Grosso (Sindepjuc), Genima Evangelista, a categoria não pretende fazer greve porque essa ação só prejudicaria a população.

Genima disse hoje pela manhã que a categoria está revoltada com a atitude do governador Silval Barbosa e o secretária César Zílio (Administração), que não os recebe para negociar as reivindicações.
A presidente do sindicato alfineta: “Na gestão de (Blairo) Maggi éramos recebidos pelo governador, mesmo que fosse para recebermos um não. Agora, ele (Silval Barbosa) não quer conversar”.

Genima também criticou a atuação do secretário de Segurança, Diógenes Curado. Segundo ela, Curado, que é delegado da Polícia Federal, não está preparado para exercer o cargo que ocupa. “Ele também não quer conversar”.

As duas categorias querem reestruturação salarial, equiparando os seus vencimentos com os de perito da Polícia Civil, que é em torno de R$ 5,3 mil. Além disso, exigem melhores condições de trabalho. (Com informações por telefone de Aliana F. Camargo)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros