Quinta-feira, 18 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

Brasil Terça-feira, 19 de Março de 2024, 14:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 19 de Março de 2024, 14h:30 - A | A

Elementos colhidos em investigação contra Bolsonaro são 'muito convincentes', diz Gilmar Mendes

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que os elementos colhidos pela Polícia Federal na investigação que apura uma suposta articulação golpista no entorno do então presidente Jair Bolsonaro são "muito convincentes" e indicam que "de fato algo de muito ruim estava em marcha".

Gilmar e os outros dez ministros do STF serão responsáveis por julgar Bolsonaro se a Procuradoria-Geral da República (PGR) formalizar a denúncia.

"Eu, como observador da cena há muito tempo, raramente a gente teve avanços tão significativos. Saímos de especulações para provas. Assistindo àquilo que vocês têm divulgado, mais do que as coisas que leio no próprio tribunal, a propósito daquela reunião com os ministros em que os ministros militares falaram, Augusto Heleno do GSI, Paulo Sérgio da Defesa, fico admirado com os dados que a Polícia Federal conseguiu obter. São de fato muito convincentes de que algo de muito ruim estava em marcha", afirmou.

Gilmar Mendes se refere à reunião filmada pelo Palácio do Planalto em julho de 2022 com a presença de Bolsonaro e diversos de seus ministros. No encontro, o então presidente afirmou que "não podemos deixar chegar as eleições e acontecer o que está pintado".

O general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional à época, afirmou que a Abin iria "montar um esquema para acompanhar o que os dois lados estão fazendo". O próprio Bolsonaro pediu para seu ministro interromper sua fala neste momento e pediu que o assunto fosse discutido em particular para não ser vazado.

Já o ministro da Defesa, Paulo Sérgio, afirmou que "a comissão eleitoral, organizada pelo TSE é para inglês ver". Disse, ainda, que se sentia "na linha de contato com o inimigo".

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros