Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Artigos Quinta-feira, 16 de Junho de 2016, 08:40 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 16 de Junho de 2016, 08h:40 - A | A

Desgaste ou perda de credibilidade

Lula está desgastado, mas ainda possui credibilidade junto a maioria do eleitorado

JOÃO EDISOM

 

Facebook

João Edisom

 

“A moral e a ética, quando pregadas em demasia e como forma de controle, são escoras da incompetência. Ou ainda uma cortina de fumaça dos defeitos psicológicos”. Bibiana Zaparolli

 

Em política faz se necessário conceituar o que diz para não correr o risco de errar na avaliação dos fatos. Constantemente ouvimos as pessoas se pronunciarem a respeito de gestores públicos, empresas, ou mesmo a pessoas, com os termos “desgaste” ou “falta de credibilidade”. São dois conceitos bem diferentes com consequências ainda mais diferentes. Desgaste se conserta, falta de credibilidade não tem conserto a curto praso.

 

Vamos lembrar as passeatas de 2013, as da Copa das Confederações. A presidente Dilma estava desgastada, mas tinha credibilidades junto ao eleitorado. Tanto que ganhou as eleições de 2014. Hoje ela está sem credibilidade e não tem como retomar a curto prazo sua carreira política.

 

Lula está desgastado, mas ainda possui credibilidade junto a maioria do eleitorado. Em uma eleição em que o opositor seja fraco, não tenha dúvida que ele tem possibilidade de vencer uma eleição nacional. Vindo para o estado de Mato Grosso, podemos dizer que o atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, vivenciou um desgaste muito grande no estado, mas nunca perdeu a credibilidade. Se sair candidato provavelmente será eleito. O ex-governador Silval Barbosa perdeu credibilidade. Sua vida política momentaneamente esta acabada.

 

Esses são alguns exemplos para diferenciar esses dois conceitos. O pior cenário é quando o gestor político vai se degradando, começa com o desgaste e aprofunda de tal forma que fica sem credibilidade; aí é sua morte definitiva enquanto agente público.

 

Podemos dizer que desgaste é uma ação que se dá pelo tempo excessivo de permanência no poder ou por uma (ou mais) medida impopular, muito comum aos gestores populistas que por vez ou outra destoam de parte da opinião pública.Criar uma expectativa muito elevada sobre o outro em detrimento a realização efetiva gera frustrações e desgaste.

 

Perda de credibilidade é quando parte ou a maioria da população passa a não acreditar mais na pessoa do gestor. Isso se dá quando o gestor não honra com seus compromissos, falta com a verdade ou mesmo atente com a ausência de ética ou moral junto a seu eleitorado (fala uma coisa e faz outra). Sabemos que um gestor está sem credibilidade quando seu próprio eleitor não tem forças para combater aa criticas da oposição, ou mesmo quando estes comecem a se aliar aos críticos do gestor.

 

A desconfiança e a falta de credibilidade de um gestor são os combustíveis dados aos opositores. Sendo assim, quem se preocupa com seu futuro político deve saber até quando as críticas que recebe são desgastes ou perda de credibilidade.

 

*JOÃO EDISOM é Analista Político, Professor Universitário em Mato Grosso e colaborador do HiperNotícias.

 

 

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias www.hnt.com.br

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros