Terça-feira, 21 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

Últimas Terça-feira, 03 de Maio de 2016, 15:40 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 03 de Maio de 2016, 15h:40 - A | A

SAÚDE

Gravidez tardia exige acompanhamento médico

Mulheres devem considerar questões de saúde ao escolher engravidar a partir dos 35 anos, tendência cada vez maior

REDAÇÃO

As mulheres estão tendo filhos cada vez mais tarde. É o que indica os últimos dados apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos quais, em um período de um pouco mais de dez anos, o grupo de mães entre 30 e 34 anos cresceu de 15% para 20%, e de 7,4% para 10% entre as mulheres de 35 a 39 anos. Obstetras indicam o acompanhamento próximo quando esta postergação da maternidade for escolhida, pois pode acometer em algumas complicações para a saúde da futura mãe ou do bebê.

 

Extra

Grávida

 

Para Fernando Tostes, ginecologista e ultrassonografista que integra o corpo clínico do laboratório Cedic Cedilab, adiar a maternidade está ligado a uma série de decisões socioeconômicas importantes, porém, os riscos e as dificuldades da gravidez a partir de 35 anos também devem ser considerados. “A gestação implica em uma série de riscos, independentemente da idade, mas eles tendem a aumentar com a idade. Isso porque os óvulos ‘envelhecem’, aumentando a chance de falhas genéticas e síndromes cromossômicas. Além disso a incidência de doenças como diabetes e hipertensão são mais comuns em faixas etárias mais elevadas, o que é sempre um complicador para a gestação”, explica o médico.

 

De acordo com o especialista, a preocupação pode ser ainda maior quando a mulher teve múltiplas gestações anteriores. “Podem ocorrer hemorragias causadas pela deficiência da contratilidade do útero, por exemplo. Ou ainda, a mulher tem mais chance de sofrer a incompetência istmo cervical, que se trata de um defeito do colo em permanecer com o canal fechado, mesmo sem contrações. Podendo levar ao parto prematuro”, exemplifica.

 

Acompanhamento pré-natal

 

Entre as complicações mais comuns que podem afetar o filho de uma gestação no final da idade reprodutiva da mulher, o especialista destaca o aborto espontâneo e síndromes genéticas, como a Down. Já para a mãe, o risco é maior para inflamações e endometriose, por exemplo. “Alguns problemas não conseguem ser evitados, mas se a pessoa tiver uma vida saudável, evitar o sedentarismo, obesidade e cigarro, e realizar o pré-natal com a acompanhamento médico indicado, ela terá uma maior chance de uma gestação tranquila, com qualquer idade”, completa Dr. Fernando.

 

Para a mãe madura o ginecologista indica o mesmo exame de imagem para qualquer gravidez: a ultrassonografia. Saiba quais são as fases da gestação que o ultrassom investiga:

 

·Logo no início para datação da gestação, indicar o número de embriões e localização na cavidade uterina.

·Entre 11 a 14 semanas para estimativa de risco de síndromes e cardiopatias, com a medida da translucência nucal, para avaliação de possível alteração cromossômica, malformações ou alguma síndrome genética, e identificar a presença do osso nasal.

·Com 16 semanas, período em que é possível identificar o sexo fetal.

·Por volta de 24 semanas, para ver detalhes da anatomia fetal com a realização da ultrassonografia morfológica, para avaliar o desenvolvimento do bebê com bastante detalhe, incluindo os órgãos internos e detectar a posição da placenta no útero.

·Por volta de 28 semanas com dopplerfluxometria que irá avaliar a circulação sanguínea da mãe e do feto e rastrear o risco de-eclâmpsia, que é a pressão alta na gravidez.

·Ao final da gravidez para avaliar crescimento fetal, posição, estimativa de peso e quantidade de líquido.

 

Dr. Fernando Tostes reforça que esses exames devem ser demandados pelo obstetra responsável pelo pré-natal de cada mulher. “Demais exames de imagem complementares podem ser necessários em casos específicos na qual se tem antecedentes ou foram encontradas determinadas alterações no exame de ultrassonografia”, conclui o médico.

 

Sobre o Cedic Cedilab

 

O Cedic Cedilab atua na área de medicina diagnóstica em Mato Grosso e tem como princípio a excelência no atendimento e máxima eficiência na realização de exames laboratoriais e de imagem. O Cedic Medicina Diagnóstica foi fundado em 1995 e o Cedilab Medicina Laboratorial, em 2000.  A união das duas marcas tem o objetivo de oferecer as melhores soluções em exames laboratoriais e diagnóstico por imagem em um só local, garantindo conforto e conveniência ao cliente. São mais de três mil tipos de exames oferecidos em 6 unidades de atendimento em Cuiabá e Várzea Grande. Além disso, o Cedilab possui as certificações ISO 9001, de gestão de qualidade; ISO 14001, de gestão ambiental; o Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos (PALC); e a Proficiência em Ensaios Laboratoriais (PELM) há mais de 10 anos. O Cedic Cedilab investe constantemente em tecnologia e equipamentos de ponta e possui uma equipe médica composta por profissionais altamente capacitados. Para mais informações acesse o site www.cediccedilab.com.br ou entre em contato com o Atendimento ao Cliente no (65) 3319-3319.

 

 

 

 

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros