Sábado, 18 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Últimas Segunda-feira, 09 de Maio de 2016, 09:50 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 09 de Maio de 2016, 09h:50 - A | A

SEMINÁRIO

Acidentes no trânsito serão tema de seminário em Cuiabá

REDAÇÃO

Em 2014 foram registrados em Cuiabá 69 acidentes de trânsito com 77 vítimas fatais. Em relação às vítimas, 88,2% delas eram homens. Os acidentes costumam acontecer nas quartas feiras (22,4%) e aos sábados (18,4%). 71,4% desses acidentes acontecem nas noites de sábado e quarta-feira (58,8%). O condutor de moto é a maior vítima (38,16%), seguido pelo pedestre (25%) e o condutor de veículos leves (18,4%)

 

Esses e outros dados serão apresentados pelas técnicas Esmeralda Marthos e Kelly Cristina  Brandão,  da Coordenação de Vigilância a Doenças e Agravos não Transmissíveis (Gevidant), da Vigilância em Saúde de Cuiabá, no próximo dia 11, durante o Seminário Nacional de Perícia em Identificação de Veículos e Perícia em Crimes de Trânsito. Os dados fazem parte do Projeto Vida no Trânsito.

Criado pelo Ministério da Saúde, o projeto tem por objetivo, subsidiar os gestores no fortalecimento das políticas de prevenção de lesões e mortes no trânsito por meio da qualificação, planejamento, monitoramento, acompanhamento e avaliação das ações.

 

Cuiabá foi habilitada no Projeto em 2013 por meio da assinatura de um Termo de Compromisso. No ano seguinte, o Ministério da Saúde, buscando apoiar os municípios na execução das ações previstas no projeto, instituiu  visitas técnicas de apoiadores às capitais pioneiras na iniciativa, entre elas Cuiabá.

 

“Iniciamos então o processo de integração das informações relacionadas aos acidentes de trânsito dos bancos de dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) com os Registros da Secretaria de Segurança Pública. Nosso objetivo foi conhecer os acidentes graves e fatais ocorridos no município”, explicou a assistente social Kelly Cristina Brandão.

 

Outra etapa do processo foi a qualificação dos dados. Para isso, foi nomeada uma Comissão de Coleta, Análise de Dados e Gestão da Informação, dentro do Comitê pela Saúde no Transito, instituída através da Portaria nº 29/2015/SMS e composta por técnicos da Secretaria Municipal e Estadual de Saúde – Coordenadoria de Vigilância a Doenças, Agravos e Eventos Vitais, Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (SEMOB), Secretaria de Estado de Segurança Pública – Batalhão de Polícia Militar de Trânsito (BPTRAN), Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (DELETRAN); Perícia Oficial de Identificação Técnica (POLITEC); Departamento de Trânsito de Mato Grosso (DETRAN) e Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

 

“Como área de intervenção do projeto definimos inicialmente o território que corresponde às vias públicas urbanas de Cuiabá, de competência da SEMOB. No entanto, devido à expansão do perímetro urbano do município, com a ocorrência de muitos acidentes nesses trechos a Comissão ampliou o território de abrangência do projeto para as áreas de expansão do perímetro urbano da capital”, explicou a enfermeira Esmeralda Marthos.

 

Para o levantamento das informações sobre os óbitos por acidentes de trânsito foi realizada uma seleção das Declarações de Óbito (DO) por acidente no banco do Sistema de Mortalidade (SIM) e a conferência dessas informações com os boletins de ocorrência (BO) do Sistema de Registro de Ocorrências Policiais (SROP).

 

A seleção dos óbitos do SIM codificados com o CID - V01 – V89.9 (Acidentes de Transporte Terrestre), e dos registros de BO permitiu a construção de uma lista única de vítimas.

 

Segundo as técnicas, a  partir da análise desses acidentes de trânsito fatais, tendo como parâmetro  as orientações do Projeto Vida no Trânsito, entendido como modelo múltiplo e integrado de análise, foi possível  a identificação de fatores e condutas de risco, fatores que agravaram a severidade do trauma, tipo de vítima e usuários que contribuíram para o acidente.

 

“Com a identificação dos acidentes fatais e do preenchimento sistemático do instrumento de análise foram estabelecidas algumas diretrizes como: parcerias intersetoriais, rotinas de fluxo de informação, elaboração do plano de trabalho e cronograma de reuniões da Comissão de Coleta, Análise de Dados e Gestão da Informação”, explicou Esmeralda.

 

A ideia, segundo as técnicas, é de que esse conjunto de informações possibilite aos gestores a  implementação de ações visando por exemplo, a diminuição do numero de acidentes no transito. “Isso tudo se refletirá na área da Saúde e em outras, diminuindo a violência no transito e a pressão nas unidades de saúde por exemplo”, destacou Kelly Cristina.

Fechados os dados de 2014, as tecnicas trabalham agora nos dados de 2015 relacionados a violência no transito.

 

 O XII Seminário Nacional de Perícia em Identificação de Veículos, e X Seminário Nacional de Perícia em Crimes de Trânsito, acontece em Cuiabá de 10 a 13 de maio, no Paiaguás Palace Hotel.  O evento que tem por objetivo capacitar, atualizar e aprimorar os conhecimentos dos profissionais da área, incentivar a pesquisa científica é uma realização do Sindicato dos Peritos Oficiais Criminais de Mato Grosso (Sindpeco/MT)

 

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros