Quarta-Feira, 18 de Abril de 2018, 17h:35

Tamanho do texto A - A+

Fazenda entregue por Nadaf em delação é invadida

Por: FELIPE LEONEL

Uma fazenda que seria de propriedade do ex-secretário de Estado na gestão do ex-governador Silval Barbosa, Pedro Nadaf, foi invadida por um homem que afirma ser o real dono da propriedade, localizada na região do Pantanal, no município de Poconé (distante 100km de Cuiabá). A suposta invasão teria ocorrido no dia 14 de abril (sábado).

 

Alan Cosme/HiperNoticias

Pedro Nadaf

 Ex-secretário Pedro Nadaf

O invasor seria o empresário Roberto Morales, que solicita a devolução da fazenda após Pedro Nadaf, acusado de participar de esquemas criminosos, ter entregue a propriedade à Justiça, em sua delação, firmada junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) e homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux.

 

Conforme o boletim de ocorrência, registrado por Marcos Flavio De Oliveira, um funcionário do ex-secretário, esta não seria a primeira vez de a fazenda ser invadida pelo mesmo sujeito. Ainda conforme o B.O., Morales teria aproveitado a fazenda vazia para tomar posse da propriedade. Ele ainda teria substituído os cadeados das porteiras.

 

“O suspeito se aproveitou que a propriedade está vazia e invadiu o local, colocando um pneu na entrada da propriedade nomeando o local como Fazenda 5M. Até solicitou o fornecimento de energia junto a empresa responsável”, informou o denunciante, ao escrivão da Polícia Civil, na manhã desta quarta-feira (18).

 

A fazenda teria sido adquirida por Nadaf com dinheiro proveniente de esquemas criminosos. Nadaf teria colocado a propriedade em nome de um laranja. Já o Morales alega que ele passou uma procuração para uma terceira pessoa para negociar a venda da propriedade, mas isto não teria ocorrido.

 

Nadaf e o suposto laranja teriam dado “um golpe” no suposto proprietário da fazenda.  De acordo com informações do site O Livre, a propriedade tem 341 hectares e valeria cerca de R$ 6 milhões.  A fazenda teria sido comprada com dinheiro fruto de uma desapropriação no Lago do Manso, que foi alvo da operação Seven, do Ministério Público Estadual (MPE).

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto