Justiça Segunda-feira, 17 de Outubro de 2011, 11:53 - A | A

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2011, 11h:53 - A | A

MODERNIDADE

Implantação do sistema eletrônico no TJ terá um custo de R$ 229 mi

Tribunal de Justiça vai aplicar mais de R$ 220 milhões para tornar sistema processual mais rápido e eliminar custo com papéis e outros materiais de expediente

NOELMA DE OLIVEIRA

André Romeu - Agência Phocus

Presidente do Tribunal de Justiça, Rubens de Oliveira, apresentou projeto para servidores e operadores de Direito
Um montante de R$ 229,488 milhões será investidos até 2015 pelo Tribunal de Justiça para implantar o sistema do Processo Judicial Eletrônico (PJE), que permite o acesso informatizado de toda e qualquer ação judicial. Em Mato Grosso, o projeto piloto será inaugurado no dia 5 de dezembro no Juizado da Fazenda Pública em Cuiabá.

Um montante de R$ 229,488 milhões será investidos até 2015 pelo Tribunal de Justiça para implantar o sistema do Processo Judicial Eletrônico (PJE), que permite o acesso informatizado de toda e qualquer ação judicial. Em Mato Grosso, o projeto piloto será inaugurado no dia 5 de dezembro no Juizado da Fazenda Pública em Cuiabá.

 

O novo sistema implica em economicidade em papéis e de tempo, eliminando a burocracia iniciada desde as dezenas de carimbos no protocolo do processo. Uma petição, por exemplo, poderá ser feita eletronicamente, ou seja, sem a necessidade de o advogado, o defensor público, promotor ou procurador se deslocarem até o fórum para ingressar com um processo judicial. O PJE valerá para qualquer instância do Poder Judiciário de Mato Grosso.

A primeira fase pública para implantar o PJE foi dada início na manhã desta segunda-feira (17) pelo presidente do Tribunal de Justiça, Rubens de Oliveira. O software é disponibilizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Nesta primeira etapa, o TJ pretende empregar R$ 70 milhões.

O sistema foi apresentado aos servidores do TJ e aos operadores do Direito. Os primeiros investimentos serão na segurança eletrônica e no treinamento dos servidores, que recebem os conceitos básicos. No Tribunal Regional do Trabalho (TRT), de Mato Grosso, já existe o processo eletrônico, pioneiro no país.

Os processos protocolados até o início do funcionamento do novo sistema vão continuar fazendo uso dos calhamaços de papéis. No Brasil, há uma estimativa que cada processo tenha um custo de R$ 20,00 para o Judiciário, em cópias, entre outras demandas, além do tempo gasto desde o protocolo até o despacho para o magistrado.

O processo eletrônico implica também em uma redução na demanda de servidores, que atuam no protocolo e em outras funções que envolvem a tramitação da ação manual. Mesmo assim, o presidente do TJ descartou a redução do quadro funcional do Judiciário.

O coordenador de Tecnologia da Informação do TJ, Carlos Campelo, disse que a página eletrônica terá certificação digital, a exemplo dos que acontece em sites de agências bancárias, onde clientes fazem suas operações com segurança. A segurança no processo eletrônico será um dos maiores investimentos, aliada ao treinamento dos servidores.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Mato Grosso, Cláudio Stábile e o procurador-geral de Justiça, Marcelo Ferra, participaram da apresentação do sistema. O representante do Ministério Público Estadual acredita que não haverá dificuldades para os promotores e procuradores. Para ele, os custos para o treinamento também são baratos.

Campelo explicou ainda que os dados sobre os processos serão armazenados em duas centrais por questão de segurança, uma no próprio TJ e outra no Fórum. A questão da segurança envolve também a energia elétrica.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros