Quarta-feira, 19 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,84
libra R$ 5,84

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,84
libra R$ 5,84

Economia Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 18:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 18h:30 - A | A

Correção: Coteminas tem pedido de recuperação judicial aprovado pela Justiça

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

A nota publicada no dia 9 de maio tinha uma informação errada no quarto parágrafo. A Ammo Varejo é responsável pelas operações de varejo das marcas Mmartan, Artex e Santista, e não dona das marcas, como constou no texto. A seguir, veja a íntegra do texto corrigido:


A Coteminas, que pertence ao empresário Josué Gomes da Silva, informou, em fato relevante nesta quarta-feira, 8, que a Justiça deferiu, em tutela de urgência, a suspensão das cobranças de dívidas do grupo em função de um pedido de recuperação judicial (RJ) aprovado. O pedido foi motivado por um vencimento antecipado de debêntures cobrado pelo fundo FIP Odernes, que solicitou acesso a ações da Ammo Varejo, controlada do grupo, como garantia pelo não pagamento das dívidas.

Segundo a Coteminas, a empresa vem tendo seus negócios negativamente impactados pela combinação de fatores adversos que acarretaram dificuldades financeiras desde o fim da pandemia. Neste sentido, o pedido de recuperação judicial foi solicitado como forma de garantir a preservação das atividades da companhia e suas subsidiárias "que ficariam sujeitas a dano irreparável", conforme o fato relevante.

A RJ envolve a Coteminas e suas controladas, Ammo Varejo e Springs Global. O grupo vem nos últimos anos tentando resolver problemas financeiros.

A Ammo, que é responsável pelas operações de varejo das marcas Mmartan, Artex e Santista, tentou abrir o capital em 2021, mas com o fechamento do mercado, que não se reabriu até hoje, o plano foi engavetado.

Em junho de 2022, para levantar recursos no mercado, a Ammo tentou levantar R$ 300 milhões em uma emissão de debêntures privada. Os papéis eram conversíveis em ações, com prazo de 5 anos, portanto vencendo em 2027.

Desse total, conseguiu colocar R$ 180 milhões, que ficaram com a Odernes Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia.

Em março de 2023, a Coteminas não conseguiu cumprir obrigações financeiras (covenants) referentes a estes papéis, conforme explica em notas em seu balanço do primeiro trimestre de 2023, o último divulgado desde então. Nas notas explicativas, a Coteminas ressalta que as obrigações não pagas viraram passivo no balanço da Ammo.

Pelo contrato das debêntures, a quebra dos covenants pode desencadear o vencimento antecipado dos papéis. E foi isso que a Odernes fez agora, após rodadas de conversas com os controladores.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros