Cidades Quinta-feira, 13 de Outubro de 2011, 15:58 - A | A

Quinta-feira, 13 de Outubro de 2011, 15h:58 - A | A

VITÓRIA

Sindicato de policiais civis de MT consegue desbloqueio de salários

Governo de Mato Grosso havia determinado bloqueio de vencimentos e corte de pontos; TJ já determinou pagamento de salários, mas falta julgamento de outra ação

DA REDAÇÃO

O Sindicato dos Investigadores da Polícia Civil (Siagespoc) de Mato Grosso ganhou ação de desbloqueio dos salários, medida tomada pela Secretaria de Administração (SAD) por causa da greve de investigadores e escrivães, que durou 66 dias. Decisão judicial liberou o repasse por entender que a medida da SAD foi ilegal.

Segundo o advogado do Siagespoc, Carlos Frederick, a vitória no Tribunal é a sinalização de que o sindicato sempre agiu na legalidade e em busca de melhorias para uma classe que arrisca sua vida diariamente. "Nunca agimos fora da lei. Sempre buscamos fazer valer os direitos de uma categoria que vive para servir a sociedade", frisa o advogado.

Outra situação que ainda está para se resolver é em relação ao corte de ponto dos policiais, que o governo exige que seja feito sob a alegação de que a greve seria ilegal.

Todavia, diz Frederick, que o Ministério Público já deu um parecer favorável dizendo que a greve foi legal, logo, o corte de pontos numa greve dentro da legalidade seria um absurdo do ponto de vista jurídico. "Estamos confiantes. Nisso também sairemos vencedores", afirmou o advogado.

O presidente do Siagespoc, Clédison Gonçalves, mantém uma linha de negociação e afirma que ficou satisfeito com os ganhos e conquistas que a greve propiciou. No entanto, aponta que o corte de pontos e o bloqueio dos repasses foram arbitrários.

"Temos certeza de que o governador não teve má-fé, na realidade, está mal assessorado, já que alguém deve ter dado essa orientação equivocada ao Silval (Barbosa, governador)". (Com Assessoria)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros