Terça-feira, 21 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,10
euro R$ 5,53
libra R$ 5,53

Cidades Quinta-feira, 23 de Junho de 2016, 07:52 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 23 de Junho de 2016, 07h:52 - A | A

CRUELDADE EM CUIABÁ

Mãe que matou filha de 23 dias por esganadura é condenada a 16 anos de prisão

MAX AGUIAR

O Tribunal do Juri do Fórum de Cuiabá condenou em 16 anos de reclusão em regime fechado, a ex-empregada doméstica Juliana de Jesus Miranda Silva, 29 anos. Em 2008 ela confessou que matou um filho de 23 dias por esganadura, porque a criança não parava de chorar.

 

 

PJC

juliana

 

O fato ocorreu em um quarto de hotel nas proximidades da rodoviária do bairro Alvorada, em Cuiabá. Na época com 21 anos, Juliana contou à delegada Anaíde Barros que por volta da meia-noite do dia 23 de junho de 2008, o bebê estava chorando muito, o que a deixou incomodada. A partir daí, deu algumas pancadas na criança e acabou asfixiando-a. O bebê desmaiou e cerca de quatro horas depois Juliana acordou com a filha morta na cama. 

 

Após o crime, ela ligou para o pai do bebê, Benedito Santana Costa, que viajou de Nova Mutum (cidade a 270 quilômetros da Capital) até Cuiabá chegando no início da tarde de segunda-feira. Ao chegar no hotel, encontrou a filha morta. 

 

Apesar de ter 23 dias de vida, Juliana não havia registrado a criança e nem colocado nome. Vale ressaltar que na época Juliana ao ser presa também foi descoberto que ela tinha um mandado de prisão em aberto em seu desfavor.

 

Ela teria ajudado na morte de outro filho – o menino Rodrigo Miranda, de 2 anos, fato ocorrido em 2006, em Barão de Melgaço (cidade a 115 quilômetros da Capital). Ela saiu de casa naquele ano para ir a uma festa e deixou a criança com o pai, que espancou o menino até a morte.

 

Após oito anos, a juíza Monica Perri, presidente do Tribunal do Juri, assinou a ordem de prisão e condenação da mãe que confessou friamente a morte da criança. Juliana, que já estava detida na Penitenciária Ana Maria do Couto, continuará cumprindo pena no local. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros