Terça-feira, 28 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,62
libra R$ 5,62

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,62
libra R$ 5,62

Cidades Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016, 17:08 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016, 17h:08 - A | A

A QUEM RECORRER

"Ligeirinho" bate em carro e motorista cobra reembolso

JESSICA BACHEGA

Ione Batista da Silva cobra da Secretaria de Gestão (Seges) o reembolso das despesas do conserto de seu carro que foi atingido por um dos micro-ônibus, conhecido por Ligeirinho, que faz o transporte do Centro Político Administrativo de Cuiabá. O acidente ocorreu em 26 de outubro e até então a vítima não teve um posicionamento da pastas para sanar o poblema.

 

Reprodução

Ligeirinho

 Foto ilustrativa

A mulher conta que na data da batida havia se dirigido até a Secretaria de Fazenda (Sefaz) para buscar uma certidão e que havia deixado seu carro estacionado na rua lateral deste órgão. Quando saiu do local encontrou seu carro totalmente danificado.

 

Ione registrou boletim de ocorrência e relatou aos policiais que, assim que saiu da instituição, foi abordada pelo vigilante que a entregou um papel com o nome de uma servidora da Sefaz que viu a batida e anotou a placa do “Ligeirinho”, se dispondo também a testemunhar se fosse preciso.

 

A vítima conta que o “Ligeirinho” tinha placas LLH 8469, de São José de Ubá (RJ).  Os veículos que fazem o transporte no Centro Político têm identificação própria e são contratados pelo governo. Eles são locados da empresa Sal Locadora de veículos e atuam sob a administração da Seges.

 

A vítima também protocolou reclamação junto a Seges, cobrando soluções. Além de ter que arcar com o conserto, ela precisa gastar com transporte alternativo, pois tem um filho Portador de Necessidades Especiais (PNE) e o carro é empregado no transporte do deficiente. Conforme conta na reclamação, o tempo sem o carro acarretaria prejuízo para o tratamento do filho.

 

Ela cobra, na reclamação, que sejam tomadas providências em relação a empresa, pois o responsável pela mesma a orientou a ir a duas oficinas mecânicas em Várzea Grande para o conserto do seu carro. No entanto, dias depois, a mesma pessoa ligou para Ione dizendo para que ela esperasse a seguradora.

 

Sem sucesso, ela procurou de novo a locadora e teve a informação de que a seguradora estava “enrolando“ e ela deveria buscar seus direitos.

 

“Espero que esta Secretaria faça alguma coisa por mim e por outras pessoas, pois se não fosse esta funcionária que viu a batida e anotou a placa, eu jamais saberia quem causou a batida”, afirma a denunciante.

 

A Seges foi procurada e informou que está ciente da reclamação e que o fiscal do contrato tentou entrar em contato com Ione para saber se a empresa Sal Locadora já tinha pago as despesas do conserto.

 

A assessoria da pasta informou que existe uma cláusula,  entre o governo e a empresa, que prevê que nos casos de acidente a responsabilidade pelas despesas é por conta da constratada.

 

“Tem um cláusula no contrato que prevê este tipo de dano e no caso ele é responsabilidade da empresa Sal Locadora. Mas mesmo assim, recebemos a denúncia da Ione e encaminhamos para a Sal pedindo providências no caso, quanto ao ressarcimento dos prejuízos dela”, informou a assessoria.

 

Segundo a Seges, a situação agora  será resolvida entre a vítima e a empresa.

 

A Sal Locadora foi procurada para se manifestar sobre o caso, mas não encaminhou resposta.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros