Quinta-feira, 23 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

Brasil Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 13:00 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 13h:00 - A | A

Cigarro eletrônico pode causar dificuldade para dormir, aponta entidade médica

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

Conhecidos também como 'vape', os cigarros eletrônicos ganharam popularidade por serem vendidos como uma alternativa menos prejudicial em relação ao cigarro comum. Contudo, especialistas têm apontado que o dispositivo eletrônico está associado a doenças e riscos similares aos da versão tradicional, como asma e enfisema pulmonar. Além disso, a Associação Brasileira do Sono (ABS) indicou, recentemente, que os vapes podem colaborar com mais um problema: noites maldormidas.

Presente tanto no cigarro comum quanto no eletrônico, a nicotina é uma substância psicoestimulante, assim como a cafeína. Apesar de num primeiro momento causar uma sensação de bem-estar e até relaxamento, num segundo momento, de acordo com a pneumologista e médica do sono da ABS, Jéssica Polese, contribui para deixar o usuário desperto, ligado e até mesmo ansioso, o que acaba resultando na privação do sono.

"O vape tem uma quantidade superior de nicotina, o que acaba potencializando os efeitos dessa substância", disse Jéssica.

Segundo a ABS, as substâncias presentes na fumaça e nos vapores inalados possuem propriedades inflamatórias, capazes de prejudicar as vias aéreas superiores. Isso pode levar ao surgimento de tosses frequentes e contribuir para o desenvolvimento de condições como rinite, sinusite e asma. Além disso, esses efeitos podem colaborar para o agravamento do ronco e da apneia obstrutiva do sono, caracterizada por obstruções parciais ou totais da garganta, resultando em pausas respiratórias curtas.

"Além dos efeitos das substâncias, é comum que pacientes com dependência química, tanto do cigarro comum quanto do eletrônico, acordem durante a noite para fumar", afirmou Jéssica.

Quando as noites maldormidas se tornam frequentes, outros problemas acabam surgindo. Entre eles, a pneumologista destaca a dificuldade de concentração, o aumento da irritabilidade e até mesmo o agravamento de condições como ansiedade e depressão, especialmente em pacientes predispostas a esses transtornos.

"A privação de sono ainda está relacionada a problemas cardiovasculares, como hipertensão e insuficiência cardíaca. Assim, garantir uma boa qualidade de sono é importante para a saúde tanto física quanto mental", conclui Jéssica.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros