Quarta-Feira, 20 de Novembro de 2019, 11h:16

Tamanho do texto A - A+

Ana Hickmann ajuda a socializar Pet para se tornar cão-guia

Por: CONTEÚDO ESTADÃO

Ana Hickmann ficou mais de um ano cuidando de Kira. Quando chegou na casa da apresentadora da Record TV, a cadelinha tinha apenas três meses.

A proposta feita pelo Instituto Magnus era que Ana Hichmann apresentasse o mundo para a cachorra, que recebeu todo o carinho da modelo e da família.

"Sem a família socializadora não tem cão-guia, não tem cão de assistência, e precisamos cada vez mais das pessoas que têm disposição, têm um pouco mais de tempo e amor para dar. Primeiro você recebe amor desses bichinhos, depois você compartilha tudo o que vive durante esse um ano com alguém que não conhece, mas que você pode fazer uma grande diferença na vida dela", enfatiza a modelo.

Após pouco mais de um ano juntas, Kira retornou ao Instituto Magnus, centro de treinamento de cães-guias gerido pelo grupo Adimax.

O Instituto Magnus acompanha todo o processo de aprendizagem do animal e observa várias características para entender se o pet será um cão-guia, respeitando sua personalidade. Nos casos em que se observa perfil para uma outra profissão, o instituto entra em contato com outros parceiros que realizam trabalhos de excelência e direciona este cão para ele se tornar um cão de assistência, terapeuta ou policial, por exemplo.

"A Kira passou pelo processo de treinamento e durante esse período ela mostrou algumas inseguranças, pois faltavam algumas habilidades para ela realmente trabalhar como cão-guia. Mas ela sempre teve muito potencial, é um cachorro muito inteligente, muito educado, e percebemos que ela tinha uma tendência nata para ser um cão terapeuta, mas acreditamos que ela poderia ir pouco além. Então, nós a direcionamos a um grupo parceiro, que está realizando um treinamento para que ela se torne um cão de assistência a cadeirante", explica George Thomaz Harrison, instrutor do Instituto Magnus.

Se for considerado que Kira será um cão terapeuta, poderá visitar asilos e hospitais, levando alegria aos pacientes, ou ainda, trabalhar colaborando com pacientes em conjunto com fisioterapeutas.

(Com Agência Estado)
Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei