Sábado, 13 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,95
libra R$ 5,95

Política Terça-feira, 09 de Julho de 2024, 14:51 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 09 de Julho de 2024, 14h:51 - A | A

NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Pedido de vista de Barranco trava discussão sobre PL que proíbe crianças nas Paradas do Orgulho LGBT

Valdir Barranco acentuou o tom contrário ao pontuar que a Assembleia não tem competência para deliberar sobre o assunto. Eduardo Botelho deu cinco dias para o petista analisar o projeto

CAMILA RIBEIRO
Da Redação

Um pedido de vista do deputado estadual Valdir Barranco (PT) barrou a discussão ao projeto de lei 2274/2023 que proíbe a participação de crianças nas Paradas do Orgulho LGBTQIA+ em Mato Grosso. A matéria é de Elizeu Nascimento (PL) que está licenciado. Barranco rechaçou o PL afirmando que é inconstitucional e que o bolsonarista Elizeu joga para "sua bolha". O presidente da Assembleia Legislativa (ALMT), Eduardo Botelho (União Brasil) concedeu cinco dias para que o deputado analise o projeto.

"Vivemos em uma democracia. Ele está jogando para a bolha dele, é uma decisão descabida", criticou Valdir Barranco.

Elizeu justifica que as Paradas cumpriram função social "importante quando eram realizadas com o intuito de expor a liberdade sexual de todos através da conscientização", porém, acabaram se desvirtuando ao promover a "vulgarização e a agressão às famílias tradicionais, religiões, aqueles de opiniões políticas diferentes e, principalmente, a erotização precoce de crianças e adolescentes".

A matéria recebeu parecer favorável da Comissão de Direitos Humanos sob a relatoria de Gilberto Catanni (PL).

Valdir Barranco acentuou o tom contrário ao pontuar que a Assembleia não tem competência para deliberar sobre o assunto.

"A AL não competência para um projeto desse. Mas aposto que seja aprovado pois matérias inconstitucionais acabam tendo o voto favorável e depois caem", finalizou Barranco.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros