Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 10h:56

Tamanho do texto A - A+

Governador aproveita ato no HMC e anuncia retomada de dois hospitais

Por: PAULO COELHO

Durante seu discurso no ato de inauguração do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), nesta segunda-feira (18), o governador Mauro Mendes (DEM), anunciou o lançamento da construção mais dois hospitais na Capital: o Central, cujo as obras estão paralisadas há mais de 30 anos, e o Hospital Júlio Universitário Júlio Muller, dos quais os projetos serão apresentados na semana que vem.

A obra do Hospital Júlio Muller foi iniciada em 2012 e paralisada dois anos depois, com poucos avanços. Já as obras do Hospital Central estão abandonadas desde 1984, ou seja, há 35 anos. 

Tchélo Figueiredo

mauro mendes no hmc

 

“Na próxima segunda-feira nós vamos apresentar o que será o grande hospital de alta complexidade do Estado de Mato Grosso, que é o Hospital Central, ali no Paiaguás. Os projetos estão prontos. Vamos apresentar e, na sequência, abrir licitação, para que possamos retomar as obras. Serão 23 mil metros quadrados de construção. Para vocês terem uma ideia, esse hospital aqui [HMC] tem 21 mil metros quadrados”, disse ele.

Mendes afirmou que o secretário de Infraestrutura, Marcelo de Oliveira, junto com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT),devem apresentar, ainda em dezembro, um balanço referente a obra no Julio Muller.

"Depois de dezenas de reuniões, na próxima semana vamos mostrar o que fizemos e o que estamos fazendo para que em breve seja apresentado o maior  hospital, que está parado desde 2013. Será um hospital de 58 mil metros quadrados. Portanto serão dois novos hospitais sendo construídos na Capital”, apontou o governador.

Mauro Mendes  também anunciou mudança na política de saúde voltada para o interior do Estado, bem como lembrou reformar e ampliações que estão sendo feitas nos hospitais de Rondonópólis, Sinop, Alta Floresta, Hospital Metropolitano em Várzea Grande, no CIOPS, no Adauto Botelho e, muito em breve, no Hospital Regional de Sorriso.

“Nós retomamos em janeiro dois hospitais que estavam sob a responsabilidade de OSS [Organizações Sociais de Saúde] em Rondonópolis e Sinop. Já registramos uma economia de R$ 25 milhões com isso, e prestando um serviço muito melhor”, disse. 

Ao HNT/HiporNotícias, o governador disse, ao final do evento, que o Estado já tem recursos financeiros depositados em conta para a retomada do Hospital Central. “Grande parte do recurso vai vir  da recuperação desse dinheiro de desvio de corrupção em Mato Grosso. O Hospital Central está estimado em R$ 115 milhões e o Júlio Muller, em torno de R$ 200 milhões e desses, nós já temos em torno de R$ 100 milhões e para o Central. Já temos assegurados mais de R$ 40 milhões", completou ele.

HMC

No evento da última etapa do HMC, o governador lembrou das dificuldades encontradas desde a concepção do projeto, que começou no primeiro ano de sua gestão como prefeito de Cuiabá.

“Quando nós anunciamos que esse espaço aqui seria o novo Pronto-Socorro, apareceram três ações na Justiça dizendo que essa área não era da Prefeitura. Tivemos que demandar por quase um ano na Justiça para provar que essa área era do município e demos prosseguimento no processo de licitação. Assinamos um convênio com o Estado, assinamos a ordem de serviço e a obra começou em julho de 2015. Quando deixamos a prefeitura, mais de 30% da obra civil estava concluída”, citou.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei