Segunda-Feira, 24 de Fevereiro de 2020, 11h:20

Tamanho do texto A - A+

"Barranco é o nosso candidato", diz Abicalil ao recuar pré-candidatura ao Senado

Por: WELLYNGTON SOUZA

Apesar de ter sido cotado como um dos nomes do Partido dos Trabalhadores (PT) para disputar a eleição suplementar ao Senado, o ex-deputado federal Carlos Abicalil afirmou por meio de nota aberta que não entrará no pleito e destacou que seu colega correligionário, deputado estadual Valdir Barranco, é quem será o pré-candidato da sigla. O ex-parlamentar destacou ainda que já está em 'campanha pela vitória'.

cfa599d055d67f90b44cf5a6203926dd.jpg

 

“Estou convicto de que chegamos a melhor proposição para o patamar de acumulação política e de vitória eleitoral que o momento aponta: Barranco é o nosso candidato às eleições extraordinárias. Já estou em campanha pela nossa vitória”, escreveu na carta divulgada neste domingo (24).

“Como em todas as ocasiões anteriores, estamos em ação e de prontidão, zelando pela democracia do PT, atuando no cenário externo e aferindo detidamente cada movimento do tabuleiro político”, ressalta.

Abicalil também pontuou que esse é o momento de o partido assumir uma vaga no Senado. Ele relembrou a derrota de 2010 e alegou que a sigla teria sido prejudicada por meio de fraude comprovada e julgada após oito anos.

"O resultado das eleições de 2010 nos tomou a vaga do PT no Senado através de fraude comprovada e julgada apenas oito anos depois. Lá, alguns setores petistas, desrespeitando os processos de decisão interna, criando e disseminando Fakenews, engajaram-se na campanha do nosso maior adversário de turno, aclamando “sou petista e vou de Taques”. Vimos no que deu. E não desistimos. Seguimos avançando e forjando liderança autênticas, fincadas na coragem, na firmeza de caráter e no compromisso partidário”, comentou.

A oficialização do pré-candidato da sigla ocorrerá nesta semana.

Selma cassada

A senadora Selma Arruda (Podemos) foi cassada por caixa dois e abuso de poder econômico pelo Tribunal Regional Eleitoral (TREMT) em abril de 2019. Em dezembro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve a cassação. Com a perda do mandato, o TRE definiu 26 de abril como data da eleição suplementar.

Credito:
Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei