Mundo Sexta-feira, 18 de Novembro de 2011, 15:05 - A | A

Sexta-feira, 18 de Novembro de 2011, 15h:05 - A | A

ENERGIA NUCLEAR

AIEA decide adotar resolução contra Irã por programa nuclear

Americanos e nações ocidentais aliadas voltaram a acusar o governo iraniano de tentar enganar o mundo sobre suas intenções

DA FOLHA DE SÃO PAULO

Após discussão com os 35 países que compõem a direção da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), a agência da ONU decidiu nesta sexta-feira adotar uma resolução contra o Irã por conta do programa nuclear desenvolvido em seu território.

A resolução que repreende o Irã pelas crescentes suspeitas de que o país esteja desenvolvendo armas nucleares já era consenso entre seis potências mundiais envolvidas na negociação. Para conseguir o aval da Rússia e da China, os Estados Unidos e seus aliados tiveram de abrir mão de medidas punitivas concretas contra a República Islâmica.

O texto foi aprovado em Viena com ampla maioria dos países membros, expressando "profunda e crescente preocupação" pelas possíveis dimensões militares do programa iraniano, mas não inclui uma denúncia perante ao Conselho de Segurança da ONU --que debate o caso do Irã desde 2006.

O documento recebeu 32 votos a favor, dois contra e uma abstenção, anunciou Glyn Davies, representante ante a AIEA dos Estados Unidos.

A resolução "expressa uma profunda e crescente preocupação no que diz respeito aos temas não resolvidos do programa nuclear iraniano, incluindo aqueles que precisam ser esclarecidos para excluir a existência de uma possível dimensão militar". O documento também pede que o Irã permita que uma equipe de especialistas da ONU investigue as atividades.

France Presse

Imagem de 2004 mostra técnicos iranianos trabalhando na usina nuclear de Bushehr, ao sul da capital, Teerã

O projeto de resolução havia sido apresentado ontem pelos EUA, China, Rússia, Reino Unido e França, membros do Conselho de Segurança da ONU, e Alemanha, no qual expressaram sua profunda preocupação quanto às atividades nucleares do Irã.

Os americanos e nações ocidentais aliadas voltaram a acusar o governo iraniano de tentar enganar o mundo sobre suas intenções e disseram que não poderiam mais ignorar as evidências de que o país desenvolve armamentos nucleares.

O Irã respondeu dizendo que as acusações tinham como base informações fabricadas pelos EUA, Israel, Reino Unido e França, divulgadas para a AIEA com o intuito de fazer com que a República Islâmica perdesse sua credibilidade.

RELATÓRIO

A AIEA revelou em seu relatório que há indícios claros de que o Irã pode estar desenvolvendo armas nucleares, afirmando que tem "sérias preocupações a respeito das dimensões militares do programa nuclear iraniano".

Citando informações "confiáveis" de inteligência estrangeira e investigações próprias, a entidade indicou que o Irã "praticou atividades relevantes para o desenvolvimento de um dispositivo nuclear explosivo".

O presidente iraniano, Marmoud Ahmadinejad, afirmou que seu país "não retrocederá nem um pingo" em seu programa nuclear e qualificou como "absurdas" as acusações contidas no relatório.

Ahmadinejad acusou a AIEA de "perder seu prestígio" ao aceitar as pressões dos Estados Unidos e outros países ocidentais na redação do relatório sobre seu programa nuclear, segundo informou o site da rede de televisão oficial iraniana.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros