Sexta-Feira, 08 de Novembro de 2019, 18h:04

Tamanho do texto A - A+

Zaqueu não deve recorrer de sentença, prevê advogado

Defesa jurídica de Zaqueu Barbosa entende que objetivo foi alcançado e que, mesmo com condenação de oito anos, "foi uma vitória", o resultado da sentença

Por: PAULO COELHO

Único dos cinco militares condenados pela Justiça, no caso denominado “Grampolândia Pantaneira”, o coronel  Zaqueu Barbosa, condenado a oito anos de prisão ( regime semiaberto), não vai recorrer da decisão.

A afirmação é do advogado  Diego Botelho, que defende Zaqueu no processo e que alegou não ter ainda, a intenção de acionar esferas superiores  recursais.

Para o advogado, como Zaqueu fez colaboração premiada, a Justiça reduziu o tempo definido em sentença.

Fernanda Escouto

Coronel Zaqueu depoimento grampolândia pantaneira

 Zaqueu durante depoimento à Justiça

“Entendemos que a ação surtiu efeito. As penas foram no mínimo legal, reduzidas, ou seja, o Conselho Militar  acolheu  o nosso  pedido, que é a  colaboração. Então foi uma vitória. Coronel Zaqueu prestou todas as informações. Informou quem é o mandante, tem as provas nos autos, enfim, por isso estamos felizes com o resultado. Alcançou-se os efeitos da delação premiada”, declarou Diego Botelho.

O causídico também salientou que ainda se reunirá com Zaqueu Barbosa para definir, exatamente, quais serão os próximos passos a serem tomados pela defesa jurídica do militar.

O julgamento ficou a cargo do juiz Marcos Faleiros. Por já estar aposentado, a decisão de perder a patente para Zaqueu,  é mera formalidade, pois ele  continuará recebendo o R$ 31,6 mil. O coronel pode cumprir a pena, num primeiro momento em liberdade, até a decisão em segunda instância.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei