Sexta-feira, 12 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

Justiça Terça-feira, 08 de Novembro de 2022, 14:41 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 08 de Novembro de 2022, 14h:41 - A | A

REGISTRO INDEFERIDO

TSE julga recurso de Neri prejudicado citando 3ª colocação na disputa ao Senado

Para o ministro relator, Raul Araújo, dada a posição de Neri Geller na disputa, o julgamento do recurso não teria nenhum resultado prático

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julgou prejudicado recurso do deputado federal Neri Geller (PP) que tentava reverter a impugnação de sua candidatura ao Senado. Segundo o entendimento acolhido pela maioria da Corte, o recurso sequer tinha utilidade prática, já que o parlamentar terminou a disputa pela cadeira no Senado em terceiro lugar. Acórdão foi disponibilizado na última segunda-feira (7). 

Inicialmente, Neri Geller foi contemplado com o deferimento do registro de candidatura no âmbito do Tribunal Regional Eleitoral mato-grossense (TRE-MT). O caso foi levado à Corte Superior depois que o Ministério Público recorreu contra a decisão colegiada do tribunal de origem. 

No TSE, o entendimento do Ministério Público se sobrepôs à decisão dos membros do Tribunal Regional Eleitoral e Neri Geller perdeu o status de candidato ao Senado nas eleições de 2022. Ele chegou a aparecer nas urnas, mas os votos depositados no deputado federal foram considerados nulos. Se fossem computados, Neri Geller teria ficado em terceiro lugar no pleito. 

Inconformado com a decisão do TSE, Neri opôs embargos de declaração alegando prejudicialidade decorrente da pendência de apreciação de outro recurso, este com efeito suspensivo e a vigência da Lei nº 13.877/2019, que acrescentou o § 2º ao art. 262 do Código Eleitoral, que trata da data para apresentação da inelegibilidade superveniente. 

Para o ministro relator, Raul Araújo, dada a posição de Neri Geller na disputa, o julgamento do recurso não teria nenhum resultado prático. 

"Diante dessas circunstâncias, infere-se que o julgamento destes embargos de declaração, cujo objeto versa sobre RRC de candidato não eleito a cargo disputado pelo sistema majoritário, carece de utilidade prática, porque nenhum resultado útil adviria com o julgamento, sendo irrelevante para modificar o resultado das eleições", escreveu. 

O voto foi acolhido por unanimidade.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros