Quinta-Feira, 06 de Julho de 2017, 16h:55

Tamanho do texto A - A+

Ex-intermat confessa que recebeu R$ 600 mil e pensou em suicídio na prisão

Por: JESSICA BACHEGA

O ex-presidente do instituto Mato Grossense de Terras (Intermat) Afonso Dalberto, admitiu á juíza Selma Arruda, Titular da Sétima Vara Criminal, que recebeu R$ 600 mil em propina pela desapropriação do imóvel onde hoje está o bairro Jardim Liberdade. Na sala de audiências, ele ainda confirmou que foi ameaçado e pensou em suicídio enquanto estava preso.

 

Imagem da Internet

afonso adalberto/intermat

 Ex- presidente do Intermat, Afonso Dalberto

O interrogatório de Dalberto foi realizado pela juíza Selma Arruda e  é referente a Operação Sodoma 4, que apura o superfaturamento na desapropriação do imóvel, pelo qual o Estado pagou R$ 31 milhões e cerca de R$ 15 milhões foram revertidos para a organização criminosa supostamente liderada pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

 

Em seu depoimento, o réu contou que foi pressionado pelo ex-governador para aprovar o parecer da desapropriação de forma que o grupo fosse beneficiado. Disse, ainda, que foi chamado de “cagão” por Silval Barbosa, pois alegou que queria analisar melhor a situação antes de dar seu parecer.

 

Preso, ele contou que foi pressionado pelos ex-secretários, na época também recolhidos no Centro de Custódia da Capital (CCC), para que não delatasse o esquema. À juíza, Dalberto revelou ainda que pensou em tirar a própria vida. 

 

 

O réu contou que não sabia ao certo como era feita a distribuição do dinheiro desviado entre os membros do grupo. Confessou que recebeu R$ 600 mil e que a parte iria para Silval Barbosa que usou o recurso para pagar a dívida que tinha com o empresário Valdir Piran, dono da Piran Factoring. 

 

Sodoma 4 

O  alvo desta fase da Operação foi a compra irregular de um imóvel no Jardim Liberdade, em Cuiabá, no qual o Estado pagou R$ 31.715 milhões pela desapropriação.  No entanto, R$ 15,8 milhões foram revertidos em benefício do grupo.

 

Na investigação, além dos secretários do governo e o próprio governador, foram denunciados os empresários Valdir Piran acusado de receber R$ 10 milhões dos valores desviados.

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto