HiperNotícias - Você bem informado

Quarta-feira, 20 de Julho de 2011, 10h:38

Eder compara protestos de torcedores do Mixto à marcha da maconha

Presidente da falida associação de fãs do clube reage às provocações e promete pagar dívida do clube com dinheiro dos patrocinadores

HÉRICA TEIXEIRA

 

Mixto
Protesto de torcedores do Mixto em frente a Agecopa se realizaram por várias vezes

 

Prestígio é o que Eder Moraes vai precisar para saldar a dívida de R$ 292 mil contraída pelo Mixto Esporte Clube. Essa é a avaliação do presidente interino da agremiação, Hélio Machado, ao ser questionado pelo Hipernotícias sobre como Eder vai honrar compromissos com fornecedores e rescisão dos contratos.

Na terça-feira (19), Eder Moraes - que é presidente da Agência Executora de Obras da Copa Pantanal 2014, e comanda até agora a quase falida Associação dos Amantes de Futebol e Amigos do Mixto (Afam) -, disse que pagaria a dívida com verbas de patrocínio. Também aproveitou para cutucar protestos de torcidas organizadas: “Num país onde até a marcha da maconha é liberada, porque não autorizar os torcedores a fazer manifestação?”

Porém, o clube, que não participa de nenhuma divisão do Campeonato Brasileiro, não tem até o momento nenhuma empresa pagando propaganda para a equipe. Mas, segundo Hélio Machado, Eder Moraes tem “muito prestígio para arranjar patrocinador”.

Machado, no entanto, não soube definir como esse “prestígio” de Eder chegará aos possíveis patrocinadores. O presidente da Agecopa, de ex-bancário, passou pela presidência do MT Fomento, foi secretário de Fazenda e também chefe da Casa Civil, nos governos de Blairo Maggi e Silval Barbosa.

Eder também anunciou oficialmente que a Afam será extinta, mas que o clube estará “zerado” nas pendências. E o prazo é de que até dezembro o time esteja em boa situação financeira.

O presidente culpou administrações anteriores por altos débitos pendentes dentro do clube. E garantiu que grande parte da dívida é referente a questões trabalhistas. “Outras gestões usaram e abusaram do Mixto. Só de dívida trabalhista o Mixto deve 1 milhão e 200 mil reais”, pontuou.

Quanto aos protestos dos torcedores, Eder afirmou que o país é democrático e cada um age da maneira que acha melhor. “Num país onde até a marcha da maconha é liberada, porque não autorizar os torcedores a fazer manifestação?”, concluiu.