HiperNotícias - Você bem informado

Sábado, 28 de Maio de 2011, 11h:00

Professores fazem semana de protestos e esperam solução por parte da prefeitura

Pais de alunos estão apoiando a causa dos professores e participam de protestos

ALIANA F. CAMARGO

Mayke Toscano/Hipernotícias

Panelaço reuniu cerca de 1.500 pessoas e parou o trânsito de Várzea Grande

Em greve há 13 dias professores da Educação de Várzea Grande promoveram semana de protestos para chamar atenção de toda a sociedade e dos gestores municipais, que segundo representantes do Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sintep), subsede do município, ainda não apresentaram nenhum proposta.

Na manhã de quarta-feira (25) o protesto em favor de um sistema educacional de qualidade reuniu cerca de 1,5 mil pessoas entre professores, pais e mães de alunos na avenida da FEB próximo ao Aeroporto Marechal Rondon.

Na quinta-feira (26) a concentração foi na avenida Couto Magalhães, das 8h às 11h30. Apesar de tímida, os poucos manifestantes lembraram à população do comércio da cidade que a educação ainda estava sem solução. 

Na sexta (27) a manifestação foi no bairro Cristo Rei no trevo do Senai. Para Georgina Defensora, membro do Sintep, apesar do cansaço por parte de muitos professores a expectativa é que  população e prefeitura entendam as reivindicações da categoria. “Espero que todos entendem a real necessidade de nossa luta. Esperamos que, tanto secretário de Educação quanto os gestores entendam e mostrem as soluções. Até o momento ninguém da prefeitura nos  procurou”, ressaltou.

OUTRO LADO

O secretário de Educação e Cultura de Várzea Grande, Isaac Nassarden, disse que em nenhum momento a secretaria esteve de portas fechadas para atender os professores. Disse ainda que houve uma reunião na segunda-feira desta semana e que não foi mais procurado.

“Estamos levantando a questão financeira para levantar o impacto da folha salarial. Nós queremos resolver o impasse”, frisou.

Questionado sobre a deficiência estrutural das escolas, Nassarden disse que não vê o sucateamento dos estabelecimentos de ensino. Para ele as escolas estão em condições de funcionamento. “Estamos, inclusive, fazendo a reforma de 10 escolas aqui na cidade”, concluiu.