Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 11h:07

Tamanho do texto A - A+

Inteligência artificial é nova aliada no avanço de pesquisas médicas

Por: REDAÇÃO

O avanço nos estudos sobre inteligência artificial tem se tornado cada vez mais um aliado das pesquisas médicas. Programas desenvolvidos para disputar partidas de pôquer e xadrez têm sido utilizados frequentemente para calcular possibilidades de tentativas e erros na área da Medicina.

Reprodução

Diabetes


Como aponta o portal de cassino online da Betway, tratamentos de diabetes – doença que afeta 435 milhões de pessoas em todo o mundo – têm sido potencializados com a aplicação de pesquisas utilizadas no desenvolvimento de inteligência artificial para jogos.

“Quando você está doente, com diabetes, existem diferentes tratamentos. Mas há tratamentos que, para você, são super eficazes, mas para outras pessoas não são, e o tratamento que é médio eficaz para todo mundo. O que eles fizeram foi: podemos fazer como em um jogo de pôquer. O seu corpo são as cartas escondidas, e eu quero jogar da melhor forma, ou seja, tratá-lo da melhor maneira possível, com as informações que eu tenho”, aponta o doutor em inteligência artificial Marlos C. Machado ao site Betway.

O uso dos programas para finalidades que superam os torneios de jogos tem aumentado nos últimos anos. Isso se deve ao fato de a inteligência artificial opera por meio de algoritmos de escolha e negação, traduzidos em uma linguagem de positivo e negativo.

Uma partida de xadrez, por exemplo, é executada por uma sucessão de escolhas que se baseiam em propostas (aposta) e contrapropostas (raise). A habilidade do programa é definida pelo fato de a “inteligência de máquina” conseguir calcular milhares de possibilidade em um curto período de tempo.

Reprodução

Diabetes

Registro de coleta de sangue para teste de diabetes

 

Dessa forma, os algoritmos podem ter sua função prévia de disputar partidas superada para aplicações em diversos outros campos. O setor médico, neste sentido, é apenas uma das possibilidades.

“O computador não pode vencer no pôquer se não blefar. Desenvolver uma inteligência artificial que possa fazer isso com sucesso é um tremendo passo à frente cientificamente e tem inúmeras aplicações. Imagine que o seu smartphone um dia conseguirá negociar o melhor preço de um carro para você. Esse é apenas o começo”, apontou Frank Pfennig, chefe do departamento de Ciências da Computação da Carnegie Mellon.

Como aponta material publicado pelo Betway, as gigantes Mundipharma Portugal e a IBM trabalham com um sistema de inteligência artificial para auxiliar os médicos no atendimento em casos de diabetes. Os profissionais da área médica adicionam os dados dos pacientes e, com base em características físicas e psicológicas, a inteligência sugere qual seria a melhor forma de tratamento.

“Existe um outro trabalho que eles falam que é de segurança de aeroporto. Você pensa também em um jogo. Talvez haja terroristas querendo atacar o aeroporto, e a segurança, de novo, lida com informações escondidas. Como faz para desenvolver uma abordagem para esse monitoramento? Também há técnicas de pôquer aplicadas nesses resultados”, completou Machado.

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei