Economia Terça-feira, 12 de Abril de 2011, 15:24 - A | A

Terça-feira, 12 de Abril de 2011, 15h:24 - A | A

Presidente do BNDES volta a criticar política cambial brasileira

Coutinho disse que o Brasil precisa fazer mais para impedir o fortalecimento do real porque a valorização da moeda pode causar problemas para a economia

Da Reuters / Folha de S. Paulo

O presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Luciano Coutinho, voltou a criticar a política cambial do Brasil nesta terça-feira, em Pequim, em meio à viagem da presidente Dilma Rousseff à China.

Coutinho disse que o Brasil precisa fazer mais para impedir o fortalecimento do real porque a valorização da moeda pode causar problemas para a economia.

O comentário do executivo ocorre em um momento delicado, depois da presidente ter se irritado com um embate interno do governo em torno do câmbio se tornar público pela boca do presidente do BNDES.

Na ocasião, Coutinho criticou a equipe econômica comandada por Guido Mantega em um evento com mais de 200 empresários. Ele condenou o fato de o governo priorizar o controle da inflação, abandonando o "compromisso" de segurar o câmbio a R$ 1,65.

Coutinho afirmou ainda que falava, ali, em nome de dois ministros: Fernando Pimentel (Desenvolvimento) e Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia).

Para interlocutores de Dilma, o envolvimento de outros integrantes do primeiro escalão foi infeliz, pois mostra uma divisão interna sobre como conduzir dois dos principais pilares da política econômica.

A presidente, aliás, fez chegar a Coutinho seu descontentamento assim que tomou conhecimento das críticas.

Hoje, o executivo afirmou que para começar a lidar com o problema, o governo precisa trabalhar mais duro para conter a alta do real.

"Temos que utilizar nossas ferramentas disponíveis para mitigar a apreciação excessiva", disse ele. "Eu creio que o Banco Central e o Ministério da Fazenda estão tentando fazer isso e acho que eles deveriam intensificar esse tipo de ação para impedir apreciação excessiva."

Na pauta presidencial, o Brasil deve manifestar preocupações sobre como importações de produtos baratos da China têm prejudicado a indústria brasileira, Coutinho afirmou que o Brasil deveria buscar soluções próprias em vez de culpar a China.

VALORIZAÇÃO

O real subiu na semana passada para o nível mais alto ante o dólar desde agosto de 2008, depois que o mercado desconsiderou as últimas medidas do governo para taxar investidores que estão lucrando com o juro de dois dígitos do país.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, tem tentado conter a contínua alta do real com uma série de medidas, incluindo impostos sobre empréstimos estrangeiros e outros controles de capitais, mas a ameaça de novas medidas parece ter perdido sua força.

Apesar de ser inevitável que investimentos fluam para uma economia em rápido crescimento como a do Brasil, o governo deveria emitir barreiras mais fortes contra dinheiro especulativo, disse Coutinho.

"Temos de selecionar os fluxos de capital benignos que ajudam a desenvolver a economia brasileira das atividades especulativas de curto prazo que, de certa maneira, são prejudiciais já que exageram a tendência de valorização da moeda", disse ele.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros