Copa Pantanal Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011, 14:00 - A | A

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011, 14h:00 - A | A

INSISTÊNCIA

Deputados fecham o cerco contra Eder em relação ao destino de recursos

Em menos de 15 dias parlamentares já fizeram três pedidos de prestação de contas, principalmente sobre aplicação de dinheiro do Fethab, a qual foi destinada 30% dos valores arrecadados

Mayke Toscano/Hipernotícias

Deputado estadual Ademir Brunetto disse que Eder Moraes é narcisista e por onde passa provoca estragos

A Assembleia Legislativa aos poucos está fechando o cerco ao presidente da ainda Agência da Copa de 2014 (Agecopa), Eder Moraes, e já oficializou em menos de 15 dias, pelo menos três pedidos de prestação de contas principalmente sobre a aplicação dos recursos públicos na autarquia.

O primeiro a levantar dúvidas sobre a gestão de Eder Moraes, direto da tribuna da Assembleia foi o deputado Sebastião Resende (PR) que por requerimento, estabeleceu 30 dias de prazo para que o presidente da autarquia encaminhe todas as informações detalhadas sobre os gastos com pessoal, contratações, licitações, obras em curso, projetos e principalmente onde estão sendo empregados os recursos do Fundo de Transporte e Habitação (Fethab).

A transferência dos recursos do objetivo original (30%) foi definida pelo governo como forma de garantir a contrapartida do Estado para execução das obras. Só do Fethab são R$ 150 milhões por ano, ou seja, R$ 600 milhões até 2014.

“Não houve ainda nenhum contato dele (Eder) conosco, mas estamos aguardando até porque ele, legalmente, tem 30 dias”, disse o parlamentar.

Enquanto isso na tribuna e fora dela, as críticas ao dirigente, cotado para assumir a Secopa (substituta da Agecopa) são cada vez mais comuns e em tom de intolerância.

O próprio presidente do parlamento, José Riva (PP), foi taxativo em dizer, na semana passada, que Eder Moraes precisa ser mais humilde, menos vaidoso e que “o ego só atrapalha os trabalhos”.

No mesmo sentido, o líder do governo na Assembleia, Romoaldo Junior (PMDB), apesar de defender a permanência de Moraes na condução dos trabalhos da Copa do Mundo, cutucou: “Humildade e caldo de galinha não faz mal a ninguém, todos os deputados aqui querem que ele seja mais humilde e tenha menos vaidade”, disse.

Irritado, o petista Ademir Bruneto, bateu mais duro ainda: “Ele é um narcisista e por onde passa ele é problema, e o governo cometerá um erro se mantê-lo como secretário”.

E percebendo que há muita coisa fora da ordem quando o assunto é Eder Moraes na execução das obras da Copa do Mundo, coube o deputado Zeca Viana (PDT) a decisão de requerer a presença do dirigente na Casa de Leis, para se explicar aos parlamentares e à sociedade. O pedetista quer uma prestação de contas minuciosa desde o início da Agecopa, em 2009. As cifras milionárias que são especuladas e que têm como ordenador de despesas o próprio Eder Moraes, foram o que mais motivou o requerimento.

“Na realidade não existe um projeto para esses custos. Tudo que temos são estimativas e especulação. Assim, em virtude da extinção da Agecopa, que já um assunto definido, e a constituição da nova secretaria, a sociedade tem o direito de saber exatamente o que foi feito nesses dois anos de trabalho, quanto foi gasto e onde estão as obras. Esperamos esta prestação de contas à sociedade”, disse Viana.

No requerimento, Zeca Viana pede que se faça um relatório financeiro e se apresente o cronograma de execução e realização das obras. Segundo o deputado, que é vice-presidente da Comissão de Acompanhamento da Copa do Mundo 2014 da Assembleia, vários questionamentos foram feitos com referência aos 28 programas da Matriz Técnica entregue à Fifa pela Agecopa, mas que não foram devidamente respondidas, desde o início do ano.

DESCULPAS

Eder Moraes admitiu que já recebeu pelo menos um requerimento - o de Sebastião Resende -, mas disse que quando o requerimento chegou à Agecopa, ele ainda não fazia parte dos quadros da autarquia, entretanto o argumento do dirigente não se sustenta devido à data em que o requerimento de Resende foi aprovado na Assembleia, ou seja, em 15 de setembro desse ano ( há 11 dias).

Mesmo assim, Eder Moraes se prontificou a responder à cobrança do parlamentar:

“Já determinei que se forneça isso (informações), pois não há nenhuma razão para que não se forneça, basta copiar os relatórios que são enviados para auditoria do Estado, Tribunal de Contas da União e do Estado (TCU e TCE) porque as respostas são as mesmas”, argumentou.

RELOJÃO

Têm causado estranheza as perspectivas de gastos em torno do cronômetro que faz contagem regressiva para a Copa, uma vez que as informações extraoficiais dão conta de que o aluguel do relógio custará por mês R$ 34 mil, ou seja, a um custo de mais de R$ 1,1 mil por dia. O relógio, que foi inaugurado na última sexta-feira dia 17, fica em frente à sede da Agecopa, na Avenida Lavapés.

“Com isso, se confirmado este valor absurdo e descabido, até o início do Mundial, em julho de 2014, se terá consumido mais R$ 1,1 milhão de recursos públicos, dinheiro que poderia muito bem ser investido para ajudar a melhorar vergonhosa situação fundiária de Mato Grosso”, analisou Percival.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros