Quarta-Feira, 04 de Março de 2020, 11h:22

Tamanho do texto A - A+

Direitos das mulheres e saúde encerram o Ciclo de Palestras do Sinpol-MT

Por: REDAÇÃO

“Abandono do Lar: efeitos e consequências”. Este foi o tema de abertura do último dia do Ciclo de Palestras da Semana da Mulher promovido pelo Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de Mato Grosso (Sinpol-MT).
“Abandono do lar é o ato voluntário de deixar o relacionamento afetivo sem qualquer intenção de retorno e sem justo motivo. Pode ser comprovado através de Boletins de Ocorrência, registro em cartório ou acolhimento de testemunhas. Estas provas serão ser usadas em juízo no processo de partilha de bens; indenizações, discussão da guarda e manutenção dos filhos e de animais de estimação, entre outras questões geralmente reclamadas à justiça pela parte que se sinta prejudicada com o fim da união não consensual”, explicou a advogada Clarissa Bottega.

Divulgação

Palestra dia da mulher

Já a advogada Mariana Oliveira deu foco ao tema “Alimentos: direitos e deveres”. Sua palestra deixou claro que a responsabilidade com a alimentação e manutenção dos filhos deve ser compartilhada e que caberá ao juiz determinar o valor da pensão a partir da avaliação de rendimentos dos pais e do novo vínculo familiar.

"Não pagar dá cadeia e o valor da pensão pode ser mudado a qualquer momento pelo juiz. Portanto, se não há acordo, procure à justiça”

“Para determinar o valor da pensão o juiz leva em conta análise da vida financeira do pagante e o padrão de vida que o/s dependentes/s tinham durante o casamento ou união estável. Dizer que o valor é fixado em até 30% do salário mínimo não passa de lenda. E tem mais: a pensão não é devida apenas aos filhos, mas, em muitos casos, também ao cônjuge. Tudo vai depender da necessidade do requerente, da possibilidade do pagador e da comprovação de vínculo entre as partes. Não pagar dá cadeia e o valor da pensão pode ser mudado a qualquer momento pelo juiz. Portanto, se não há acordo, procure à justiça”, explicou a palestrante.
Mariana também explicou que hoje a justiça também pode determinar o pagamento de pensão alimentícia para mulheres grávidas abandonadas por seus parceiros.
“A Lei dos alimentos gravídicos (11.804/2008) garante pensão durante a gestação das mulheres abandonadas por seus parceiros. Foi criada com o objetivo de assegurar os direitos do nascituro, ou seja, daquele que ainda está por nascer. Afinal, não seria justo para mãe ter que arcar sozinha com todos os custos da gestão e do nascimento do bebê, mesmo porque muitas sequer têm condições para isso. Mesmo que o pai alegue que o filho não é seu, a justiça pode determinar o pagamento da pensão até o nascimento da criança. Uma lei moderna que assegura as mulheres.”
A terceira palestra tratou dos transtornos mentais. A psicóloga Larissa Slhessarenko trouxe pra discussão a “Depressão e a Síndrome do Pânico”.
“A ansiedade é aquela pressa de fazer tudo ao mesmo tempo, de querer antecipar o que estar por vir, de não se desligar nunca. Isso nos faz muito mal. Precisamos viver cada minuto de maneira que valha a lembrança. Somos seres em construção e às vezes precisamos reformar o que estamos construindo dentro de nós mesmos. Não há porque ter pressa. A ansiedade traz a insônia, os medos (fobias) o estresse, as cardiopatias, o esquecimento de que não somos máquinas e de que tudo passa; ao seu tempo, mas passa. Precisamos parar, respirar, olhar pra dentro e procurar ajuda. Terapias alternativas e medicamentosas ajudam e muito. Mas a mudança está dentro de cada um de nós”, explicou.
Sobre a depressão, Larissa explicou que trata-se de é uma doença séria, mas muito comum, que afeta negativamente como a pessoa se sente, pensa e age. Mas que felizmente, também tem cura.
“A depressão provoca sentimentos de tristeza e/ou perda de interesse em atividades que em momentos anteriores traziam prazer. Pode levar a uma variedade de problemas emocionais e físicos, além de diminuir a capacidade de uma pessoa manter suas atividades normais no trabalho e em casa. Precisa ser tratada e o apoio familiar aliado a terapia é o primeiro passo”, explicou.
A psicóloga fez ainda um alerta: “Quando sua sinceridade for capaz de baixar a autoestima de alguém, cale-se. Quando sua opinião for capaz de desmotivar alguém, cale-se. Quando sua “crítica construtiva” for capaz de diminuir alguém, cale-se. Verdades sem empatia são apenas conveniências emocionais para satisfazer o seu egocentrismo.” “Palavras não ditas ou mal ditas adoecem e envelhecem. Precisamos de conforto emociona e é aí que entra a terapia com psicólogos. O que não dizemos também nos mata!”
A palestrante e advogada Alexandra Nogueira falou sobre a “Violência contra a mulher. Precisamos romper as barreiras e o silêncio”.
“A violência contra a mulher só vai parar quando denunciarmos os agressores. Mas é claro que para isso precisamos de políticas públicas de amparo e apoio às mulheres e, sobretudo, de punição severa aos agressores”, disse.
Encerrando o Ciclo de Palestras da Semana da Mulher, a diretora-presidente do MT Mama, Cleuza Dias, falou sobre câncer de mama dando dicas de prevenção e tratamento da doença. A palestra foi intitulada: “Câncer de Mama: o que eu preciso saber”.
As atividades da Semana da Mulher continuam nesta quarta-feira (4) com uma grande workshop com dicas de beleza e exposição de produtos e serviços (cabeleireiro, manicure, maquiagem e massagens relaxantes). O evento começa às 14h, na Escola Superior do TCE. Na quinta-feira (5), haverá uma campanha de doação de sangue em parceria com o Hemocentro, além de tratamento odontológico gratuito e aberto à comunidade durante todo o dia na sede do Sinpol-MT.
“Estamos muito felizes em poder oferecer informação, serviços e brindes (com apoio dos nossos parceiros) às nossas filiadas e convidadas. Aproveito para convidar nossas colegas investigadoras de polícia para o treinamento de tiro que acontecerá na sexta-feira (6), no estande do Paulo Delfino em Cuiabá, como atividade de encerramento da Semana da Mulher”, disse a presidente do Sinpol-MT, Edleusa Mesquita.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto