Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 12h:40

Tamanho do texto A - A+

Cestari diz que tentou pedir perdão à família de Isabele em velório; veja vídeo

Por: WELLYNGTON SOUZA E LUIS VINÍCIUS

O empresário Marcelo Cestari, pai da adolescente acusada de matar Isabele Guimarães de 14 anos, com um tiro na cabeça, afirmou na manhã desta quarta-feira (16), que tentou pedir desculpas à família da vítima. 

Divulgação

cestari.png

 

Em conversa com à imprensa, Cestari alega que durante o velório da adolescente, não foi autorizado a sua entrada no local. Entretanto, ele acredita que esse encontro entre as duas famílias pode acontecer futuramente.

"Ligamos para o tio dela para tentar fazer esse contato no dia do velório e infelizmente as portas foram fechadas para esse tipo de conversa. Mas, no momento oportuno e no momento que essa dor passar, eu acredito que vamos conseguir sentar e conversar", disse.

Ainda nesta manhã, o empresário voltou a afirmar que tudo foi uma "infeliz acidente" e que sua filha está muito abalada com a morte da amiga.

"Ela não usou a arma, foi um acidente que aconteceu. Foi um infeliz acidente onde ela perdeu a melhor amiga dela", disse. 

"Estamos o tempo todo sendo colaborativos. Não existe nenhum criminoso, não existe nenhuma pessoa que queira fugir ou coisa do tipo. estamos prestando e dando satisfação a todo momento à Justiça", completou Cestari. 

LEIA MAIS: Pai de adolescente que matou amiga cita incoerências no processo

O caso ocorreu em 12 de julho em uma das casas do condomínio Alphaville I, no bairro Jardim Itália, em Cuiabá.

A adolescente investigada foi apreendida na noite desta terça-feira (15), após a Polícia Civil concluir que a menor teve a intenção de matar Isabele. Porém, em menos de 24 horas, o desembargador do Tribunal de Justiça Rui Ramos concedeu um Habeas Corpus para a jovem. 

LEIA MAIS: Adolescente que matou Isabele é internada no Complexo Pomeri

Na decisão, o desembargador ressalta que a adolescente não apresenta riscos à sociedadee que por isso a internação dela era uma medida desproporcional. 

"Nesse sentido, não se justifica a necessidade imperiosa da medida, uma vez que não está evidenciado que a liberdade da paciente represente risco para a sua segurança ou para ordem pública", concluiu. 

LEIA MAIS: Ao conceder HC, desembargador alega que jovem que matou amiga não apresenta risco à sociedade

Veja vídeo de Cestari: 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 1