Brasil Terça-feira, 20 de Dezembro de 2011, 10:05 - A | A

Terça-feira, 20 de Dezembro de 2011, 10h:05 - A | A

NATAL

Prédio em Fortaleza é a 'casa dos papais noéis' na temporada de Natal

Oito senhores passam o fim de ano trabalhando como papais noéis no CE

PORTAL G1

Imagem da Internet

Rotina começa cedo para os papais noéis que 'moram' em dois apartamentos no Bairro Papicu, em Fortaleza

A cada Natal, Fortaleza serve de morada temporária para um animado grupo de papais noéis vindos de várias partes do país e até da Itália. Este ano, os oito alugaram um andar inteiro em um prédio no Bairro Papicu, onde preparam-se para, em média, 10 horas diárias de conversas, fotos e “ho ho hos” em shoppings, escolas e residências. Na república dos bons velhinhos, a mamãe noel é a empregada doméstica Maria Celsa, as bermudas substituem a roupa quente de lã e a geladeira é cheia. “E ainda desconfiam que nossa barriga não é natural”, brinca o italiano Benedetto Sanfilippo, 68 anos, o mais velho do grupo.

"Ser papai noel todo dia é um ano a mais que eu ganho na vida”, afirma o mineiro Maxwell Volali. “Você renasce só de conversar com a criança”, diz Osvaldo Vagner. A turma é composta de aposentados que moram no Rio de Janeiro, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e na Itália onde foram taxistas, metalúrgicos, atores ou microempresários. A rotina dos papais noéis começa cedo. Na manhã em que  a casa foi visitada, o primeiro a sair para o trabalho despediu-se às 8h com destino a uma escola. Os outros haviam acabado de tomar café e assistiam à TV enquanto aguardavam a hora de pegar no batente.

Segundo o empresário do grupo, Marcos Teles, a maratona de trabalho dura cerca de 60 dias. “Geralmente, começamos em outubro e vamos até, no máximo, dia 25 de dezembro”, afirma. Teles explica também que os oito papais noéis passaram por uma seleção rigorosa para integrar a agência: “O que pesa mais é o carinho deles com as crianças. Depois, analisamos a semelhança do porte físico com a imagem do personagem clássico”.

Descoberto na rua

O carioca Eubirajara Garcia, 67 anos, trabalha como Papai Noel há dois anos, desde que foi descoberto na rua e uma pessoa pediu para levá-lo à agência de Teles. “Antes disso, só havia me vestido de Papai Noel nos anos 1970, quando ainda nem tinha barba”, conta. Desde então, Garcia decidiu manter a principal característica do personagem e nunca mais cortou a barba, diferente do colega Osvaldo Vagner, que muda de visual duas vezes ao ano para garantir o emprego. “No dia 27 de dezembro, nem eu me reconheço. É o dia em que corto a barba e só deixo crescer a partir de março”, explica.

O cuidado em manter a aparência do personagem inclui o uso de cremes na barba e uma dieta “rica em gorduras”, segundo o empresário. A barriga é natural, diz Sanfilippo, que raramente é visto longe da escova que usa para alisar os cabelos dele, e quando quer fazer graça, até os dos colegas. Os oito dizem que a empregada doméstica Maria Celsa é a Mamãe Noel. Ela trabalha há seis anos preparando a alimentação e lavando as roupas do grupo. “São muito brincalhões. É bom demais trabalhar com eles. Me divirto muito”, afirma.

Calor e flashes de cegar
Mas a vida de papai noel não é tão fácil quanto parece. A maioria reclama do calor do figurino de lã quando fazem trabalhos em lugares abertos. Sobre o incômodo, o mineiro Dirceu de Souza comenta: “O que não fazemos para deixar as crianças felizes, hein?”. Outro problema é o flash das máquinas fotográficas. “São umas 300 fotos por dia. No fim, não enxergamos mais nada pela frente”, dizem.

Para alguns, a vocação de papai noel começou dentro de casa. “Minha sobrinha sempre disse que eu era o 'titio noel' da família”, conta Garcia. Já Osvaldo é acostumado com o personagem desde criança, quando a mãe vestia a roupa vermelha e a barba postiça para entregar os presentes: “Levei essa tradição para os meus filhos e a gente sempre brincou no Natal”.

Na convivência, os papais noéis trocam relatos dos pedidos mais marcantes que recebem. “Entro no clima da criança e às vezes choro junto quando o pedido envolve resolução de conflitos familiares ou de saúde”, diz o mineiro Volali. Os aposentados não têm descanso nem na noite de Natal, quando são contratados por famílias para animar ceias particulares.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros