Sexta-feira, 12 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

Brasil Domingo, 16 de Junho de 2024, 15:15 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Domingo, 16 de Junho de 2024, 15h:15 - A | A

Empresário preso por estuprar menores no DF pagava R$ 1 mil por meninas virgens

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

Um empresário foi preso no Distrito Federal, na sexta-feira, 14, suspeito de estupro de vulnerável e de exploração sexualmente dezenas de meninas e adolescentes. Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), o suspeito aliciava menores com idades entre 12 e 13 anos oferecendo dinheiro, presentes e participação em festas.

O abusador, um homem de 61 anos que não teve a identidade divulgada, chegava a pagar até R$ 1 mil por meninas virgens.

O suspeito foi preso durante a Operação Predador, desencadeada pela PCDF. A ação é resultado de investigações realizadas pela equipe da Delegacia Especial de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), na região do bairro Itapoã, onde o empresário atuava. Foram cumpridos um mandado de prisão temporária e outro de busca e apreensão contra o envolvido.

Uma das vítimas do suspeito, atualmente com 16 anos, contou que era abusada desde os 13 anos. As vítimas mais velhas eram recrutadas para buscar novas garotas para o investigado explorar.

Conforme a polícia, a prisão temporária do autor foi decretada por 30 dias, podendo ser renovada ou convertida em prisão preventiva ao final das investigações. Se condenado pelos crimes, o investigado poderá pegar mais de 100 anos de prisão.

Segundo a PCDF, a Operação Predador, como foi batizada, é uma resposta contra o abuso sexual infanto-juvenil no Distrito Federal. O bairro Itapoã, que atualmente tem 68 mil habitantes, é resultado de uma ocupação desordenada. O suspeito se aproveitava da condição de vulnerabilidade das vítimas para aliciá-las e cometer os abusos.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa do suspeito.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros