Brasil Terça-feira, 06 de Dezembro de 2011, 16:32 - A | A

Terça-feira, 06 de Dezembro de 2011, 16h:32 - A | A

GOVERNO

Delúbio nega arrependimento e diz que mensalão foi 'processo político'

Segundo ele, ninguém enriqueceu ele não vai deixar de fazer política, seja qual for a decisão do STF

FOLHA DE SÃO PAULO

O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, acusado de ser um dos mentores do mensalão, disse ontem à noite em Recife (PE) que não se arrepende de nada do que fez e afirmou que não vai deixar de fazer política, seja qual for a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre o caso. Segundo ele, ninguém enriqueceu e o ocorrido foi um "processo político".

"Vou falar em alto e bom som: não me arrependo de nada, dos cinco anos de isolamento, nada", declarou Delúbio. "Parei de passear, de fazer as coisas, mas valeu muito e está valendo", disse ele, referindo-se aos nove anos consecutivos do PT no comando do governo federal e do avanço do partido nos Estados e municípios.

Em debate sobre sua defesa no processo, realizado à noite no Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Pernambuco, Delúbio repetiu que o mensalão não existiu. Segundo ele, os R$ 55 milhões captados foram distribuídos a políticos do PT e partidos aliados para pagar dívidas de campanha.

Delúbio é apontado pelo Ministério Público como o operador do esquema, denunciado pela Folha em 2005. Se condenado, pode pegar até 111 anos de prisão pelos supostos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

"Delúbio Soares não enriqueceu, os parentes de Delúbio Soares não enriqueceram. Meus pais continuam vivendo da mesma maneira que viviam antes", afirmou.

"E não conheço nenhuma pessoa que pegou esses recursos e botou no bolso", disse. "Isso eu falo com tranquilidade. Não teve enriquecimento com ninguém, foi um processo da política."

No debate, promovido por dez diretórios municipais do PT no Estado, o ex-tesoureiro distribuiu às cerca de cem pessoas presentes uma cartilha com 77 páginas intitulada "A defesa de Delúbio Soares no STF" e um CD para a navegação automática no site e twitter do petista.

Ao lado dele, o advogado do partido Luiz Eduardo Greenhalgh defendeu o adiamento do julgamento, que deverá ocorrer no próximo ano. "Seria mais conveniente que o processo fosse julgado em ano não eleitoral, para que haja distanciamento das paixões políticas", disse.

Greenhalgh disse que recomendou a Delúbio que divulgue no país sua versão sobre o mensalão, porque considera sua única chance "escancarar o processo". "O STF é isento, mas a opinião pública já está formada antecipadamente", disse.

Para o advogado, mostrar o processo e formar o que chamou de "massa crítica", representa uma oportunidade de "consertar o impacto de um julgamento antecipado". Delúbio disse que ao longo do processo foram feitas "matérias distorcidas" e que não concederá mais entrevistas até o final do caso.

O processo do mensalão, segundo Greenhalgh, tem cerca de 500 mil páginas em 400 volumes. Ele estima que o julgamento levará cerca de 30 dias para ser concluído. "A ação ganhou um caráter midiático, e o Brasil vai parar para ver", declarou.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros