Brasil Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011, 14:46 - A | A

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011, 14h:46 - A | A

CORRUPÇÃO

Assembleia de SP vai apurar acusação de venda de emendas

Segundo o deputado Roque Barbiere (PTB), de 25% a 30% dos parlamentares ganharam dinheiro vendendo emendas

DA FOLHA DE SÃO PAULO

Divulgação

A Assembleia Legislativa de São Paulo deve instaurar na tarde desta segunda-feira (26) um Conselho de Ética para apurar a acusação de que deputados estaduais enriqueceram vendendo emendas parlamentares e fazendo lobby para empresas.

A decisão deve ser anunciada após reunião do conselho de líderes dos partidos na Casa, marcada para as 16h.

Para que seja instaurado, o Conselho de Ética precisa ser requerido por um deputado, mas a avaliação, neste caso, é de que o pedido deve partir de um colegiado.

Na sexta-feira, o deputado Enio Tatto, líder da bancada petista na Assembleia Legislativa, conversou com o presidente da Casa, Barros Munhoz (PSDB), pedindo a apuração dos fatos.

Para começar a funcionar, o conselho --que deve contar com sete a nove membros-- precisa que partidos indiquem seus representantes, além do presidente e do relator.

A acusação foi feita pelo deputado estadual Roque Barbiere (PTB) em depoimento dado ao jornal "Folha da Região" de Araçatuba no dia 10 de agosto.

Reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo" informou que o Ministério Público de São Paulo foi alertado da acusação no dia seguinte pelo vereador da Câmara de Araçatuba Dr. Nava (PSC).

Barbiere afirmou que de "25% a 30%" dos 94 deputados estaduais ganharam dinheiro vendendo emendas.

"Tem bastante fazendo isso. Não é a maioria. Mas tem um belo de um grupo que vive, sobrevive e enriquece fazendo isso", disse o deputado.

Na entrevista, Barbiere nega ter vendido emenda e diz que não citar nomes por não ser "dedo-duro".

"Não vou ser dedo-duro e não vou citar. Mas, existe ao meu lado, existe vizinho, vejo acontecer, falo para eles inclusive para parar. Aviso que se um dia vier a cassação do mandato deles, não vir me pedir o voto porque vou votar para cassá-los. Mas, não vou dedurar", disse o deputado, que faz parte da base aliada do governo Geraldo Alckmin (PSDB).

Ainda na entrevista, ele diz que até hoje só pediu votos para os prefeitos da região.

Na última sexta-feira, Barbiere reafirmou as acusações em entrevista a uma emissora de TV regional. Ele disse que alertou o governo sobre a prática e mostrou-se disposto a dar exemplos, em juízo.

O promotor Carlos Cardoso vai pedir a abertura de um inquérito para investigar o caso.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros